R.Carlos Meira, 340 - Penha de França, São Paulo - SP, 03605-010
  • (11) 3892-5438
  • (11) 3892-5442

Dieese: levantamento mostra que 71,4% dos desempregados na pandemia eram negros

DATA: 22/11/2021

Dados do Boletim do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) mostra que aumentou a desigualdade entre negros e não negros no mercado de trabalho durante a pandemia de Covid-19.

A crise sanitária deu mais força ao racismo estrutural, com suas práticas discriminatórias, institucionais, históricas e culturais, segregou negros no mercado de trabalho, atingindo diretamente a maioria da população do país, onde 56,1% das pessoas são negras. 

Em 2020, entre o primeiro e o segundo trimestre, um total de 8,9 milhões de trabalhadores e trabalhadoras perderam o emprego ou deixaram de procurar por achar que não conseguiriam recolocação. Deste total, 6,4 milhões (71,4%) eram negros e 2,5 milhões não negros. 

O Dieese analisou dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Desocupação de negros em 2021

Quando comparado os segundos trimestres de 2020 e 2021, o boletim mostra que, neste ano, havia 2,9 milhões de negros ocupados a mais do que no ano passado – o equivalente a 47,0% do 1º trimestre de 2020. 

“Para os não negros, os impactos da crise sanitária foram menores: dos 2,5 milhões que perderam as ocupações entre o 1º e o 2º trimestre de 2020, 59% voltaram a trabalhar em 2021”, diz o boletim.

Para os negros, a taxa de desemprego é sempre maior do que a dos não negros. Enquanto para os homens negros, ficou em 13,2%, no 2º trimestre de 2021, para os não negros, foi de 9,8%. 

Entre as mulheres, a cada 100 negras na força de trabalho, 20 procuravam trabalho, proporção maior do que a de não negras, 13 a cada 100.

Compartilhar: